Sandra Bibi

Psicoterapia, Oficinas e Retiros

“Não consigo dormir, o coração está a bater tanto, será que me vai sair do peito, tenho medo, a respiração está acelerada, as mãos transpiram e estou a tremer, vou morrer…”

Se entrássemos na mente de alguém com sintomas de ansiedade, este seria, no mínimo, os pensamentos que iriamos encontrar.

A ansiedade é uma reação humana perante estímulos que provoquem duvida, espectativa ou medo.

É caracterizada por um sentimento de desconforto, preocupação ou medo em que a pessoa sente necessidade de se manter alerta para se defender da ameaça.

A ansiedade pode, por estas razões ser considerada um processo natural de defesa.

A nossa mente e o nosso corpo trabalha para manter o nosso equilíbrio e ter o mínimo de stress com que lidar.

É importante estabelecer a diferença entre a ansiedade saudável que nos coloca alerta de forma a estarmos preparados, cuidadosos e pro ativos (estudar para um exame ou levar o guarda chuva porque pode chover), com a ansiedade patológica que deixa de ser um processo natural de defesa e sobrevivência, e passa a ser um estado de alerta, preocupação e tensão gerais e permanentes (deixar de sair de casa porque pode chover, não fazer o exame porque o pensamento e medo excessivos não permitiram o estudo).

Começa a ser um transtorno quando o dia a dia é comprometido e a ansiedade passa a ser uma tensão constante que advém de preocupações que passam de problema em problema, hipervalorizado os acontecimentos, mesmo quando existe uma percentagem mínima de possibilidade de virem a acontecer. Como por exemplo, deixar de atravessar uma ponte porque esta pode cair, ou ficar irrequieto e excessivamente preocupado, pensando que o amigo teve um acidente quando apenas está 10 minutos atrasado.

Esta preocupação e tensão continuas, desconectadas da probabilidade real de determinado acontecimento ou do seu impacto, criam bloqueios mentais, emocionais e até físicos que, pelo desgaste, provocam:

– Stress, quando a pessoa vive em ansiedade muito tempo

– Depressão pela dificuldade em lidar com os sintomas.

– Compulsões, provocadas pelo pensamento obsessivo que a pessoa tem para se livrar da sensação

– Pânico, se a ansiedade for levada ao extremo

– Fobia se a ansiedade for direcionada para algum objeto, animal ou local

Acontece muitas vezes, as pessoas com transtorno generalizado de ansiedade (TAG), terem consciência que as suas preocupações e medos são excessivos ou irreais, mas ainda assim, mantém-se a dificuldade em controlar a emoção e a reação quando estimulada por uma ameaça externa ou interna.

SINTOMAS:

Sintomas emocionais

  • Preocupações constantes
  • Sentimento generalizado de apreensão ou medo
  • Intolerância à incerteza por saber os resultado ou o que vai acontecer no futuro
  • Sensação de que nada pode ser feito porque a ansiedade é incontrolável
  • Pensamentos intrusivos constantes e incapacidade de os fazer parar

Sintomas de comportamento

  • Incapacidade de relaxar, desfrutar de momentos de quietude, ou ser você mesmo
  • Evitar situações que criam ansiedade
  • Dificuldade de concentração ou com foco

Sintomas físicos

  • Sensações de tensão, rigidez muscular ou dores no corpo
  • Sensação de inquietação
  • Problemas com sono, porque a sua mente fica muito ativa
  • Problemas de estômago, náuseas, diarreia
  • Transpiração, formigueiro, tremor
  • Dificuldade em respirar
  • Dores no peito
  • Náusea e vómito

FACTORES CAUSAIS:
– mudança de casa
– iniciar uma nova escola ou trabalho
– uma competição
– Doença ou acidente
– Ter um amigo ou membro da família doente ou ferido
– Morte de um membro da família ou um amigo
– Casamento
 Gravidez ou nascimento de um bebé

DICAS PARA PRECAVER OU NÃO DEIXAR AVANÇAR O ESTADO:

– VIVER UMA VIDA SAUDÁVEL assente em 6 pilares:

Hábitos alimentares saudáveis (horas e tipo de alimentação à escolha dependendo do organismo de cada um)

Hábitos de sono saudáveis (horas de dormir, tempo de sono)

Exercício físico adequado ao corpo de cada um,

Beber água (entre 1,5 a 2 litros dia)

Bons pensamentos

Respiração saudável e consciênte

e mais….

– Limitar o consumo de álcool e do açucar

– Meditar, realizar técnicas de relaxamento (consultar especialista ou psicoterapeuta)

– Ter pequenos objetivos quotidianos

– Fazer acompanhamento psicoterapêutico

DICAS PARA ULTRAPASSAR MOMENTOS DE CRISE

A C A L M A R

ACEITAR – Ter a noção de que a crise tem uma duração mas vai passar.

Tomar consciência de que todos os sintomas que está a notar no momento de crise, NÃO DURAM SEMPRE.

Tal como uma visita em tua casa que não deseja mas sabe que vai embora.

Aceita e reconhecer que está a ter um episódio de ansiedade. Não fugir dela.

Assim como chegou ela também vai embora.

ELA NÃO É O TODO, ELA É SÓ UMA PARTE

CONTEMPLAR – Olhar para tudo o que está ao redor. Descrever mentalmente ou em voz alta tudo o que vê: o chão, as cadeiras, as pessoas…

Desta forma cria foco no exterior. Isso ajuda a retirar a atenção aos sintomas que não estavam antes ali e que agora estão. Retira-lhe importância. É importante entender que não vai morrer.

continuar a AGIR COM A ANSIEDADE – Não parar tudo. Como a crise tem um tempo, ela vai passar. Continuar a fazer o que estava a fazer antes, continuar a agir mesmo com os sintomas, até que passe.

Lidar com este desconforto, sabendo que das outras vezes que sentiu os mesmos sintomas, não aconteceu nada, não morreu.

Continuar a fazer a sua tarefa, permite completar o primeiro passo de entender e aceitar que a ansiedade está consigo mas que pode continuar a viver com ela.

LIBERTAR AR – NÃO RESPIRAR FUNDO.

A velha máxima que diz “Estás nervoso, inspira fundo”, não se aplica num momento de crise ansiosa.

A respiração deve passar por uma inspiração normal, seguida duma expiração mais longa. Para isso pode utilizar artimanhas como, expirar para um espelho até que ele se embacie ou encher um balão.

Ao focar a atenção na respiração é dar importância a um movimento, que embora realizado automaticamente, é essencial para a vida.

MANTER OS PÉS NO CHÃO – Colocar os pés no chão e até fazer pressão ou bater como se estivesse a fazer sapateado, permite trazer a energia do corpo para a parte de baixo do corpo. Ajuda a sair do pensamento excessivo em que a energia se concentra toda a nível da cabeça.

Caso esteja num local que não se possa colocar de pé, coloque as mãos nos joelhos, massaje ou pressione as pernas.

 AGRADECER – É muito importante agradecer por estar a conseguir fazer todos os passos e superar a crise de ansiedade.

REVER E REPETIR TODOS OS PASSOS até que consiga superar cada vez mais rapidamente as crises de ansiedade. A persistência e a repetição são essenciais para alcançar os seus resultados. De nada vale ter todas as dicas e conhecimento, se não persistir no seu uso, até que viva sem ansiedade.